Relatório abre caminho para metodologia padronizada na medição de plásticos nos mares

Durante a Semana Mundial da Água na Suécia, que aconteceu em agosto deste ano, a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) apresentou um relatório que identificou inúmeras lacunas e oportunidades para o desenvolvimento de uma metodologia padrão para medir a extensão da crise da poluição por plásticos.

A urgência necessária pela metodologia fornecerá aos tomadores de decisão melhorias na coleta e análise de dados sobre o gerenciamento de resíduos plásticos nos níveis global, regional e nacional.

Conforme reconhecido durante a 3ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA-3, Nairóbi, 2017), atualmente não existe um padrão para medir a extensão dos problemas do plástico. As metodologias atuais não nos permitem entender melhor o impacto do vazamento de plástico ao longo da cadeia de valor, impedindo-nos de medir a extensão do problema da poluição pelos plásticos.

Além de fornecer, pela primeira vez, uma visão abrangente de todas as 19 metodologias de pegadas plásticas existentes e emergentes (a “pegada ecológica” é uma metodologia de contabilidade ambiental que avalia a pressão do consumo das populações humanas sobre os recursos naturais, neste caso ligada aos materiais plásticos), a publicação “Revisão de metodologias de pegada plástica: Estabelecendo as bases para o desenvolvimento de uma ferramenta padronizada de medição” também inclui um glossário de termos-chave relacionados a plásticos e detalhes ambientais. Isso permite que as comunidades de modelagem, campo e negócios falem um idioma comum.

As metodologias revisadas no relatório identificam a abundância e distribuição, tipos e fontes, bem como caminhos e sumidouros de poluição plástica em diferentes escalas.

Existem dois tipos de metodologia: a primeira identifica fluxos de resíduos de plástico e taxas de reciclagem em nível nacional ou empresarial; já o segundo compreende metodologias que se concentram na modelagem de vias para medir vazamentos de plástico em cursos de água e oceanos, a partir de resíduos mal gerenciados ou na forma de microplásticos. Uma análise da revisão conclui que faltam muitas metodologias de pegada plástica e em várias maneiras.

Por exemplo, existe uma falta de consenso sobre os fatores físicos e socioeconômicos do vazamento de plástico e uma falta de dados específicos para estabelecer os principais parâmetros dos modelos de vazamento. O conhecimento sobre o destino do plástico no ambiente (por exemplo, taxa de degradação) também está ausente.

Além disso, faltam dados para realizar avaliações e incorporar o impacto dos plásticos nas estruturas de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV). As ACV atuais não consideram o plástico como poluente – elas assumem que 100% da coleta de fluxos de resíduos vai para aterro, incineração ou reciclagem.

Como resultado, as metodologias atuais não são específicas para polímeros. Também não permitem comparar os diferentes tipos de conflitos entre a poluição plástica e outros possíveis impactos ambientais. Isso dificulta o desenvolvimento de modelos eficazes para avaliar vazamentos de macro e microplásticos, assim como combater a poluição diretamente na fonte. Também nos impede de entender os impactos e oportunidades relacionados ao efetivo uso do plástico.

“O relatório destaca a necessidade crítica de se adotar uma abordagem holística e abrangente para medir o impacto da poluição do plástico, que avalia toda a cadeia de valor de produtos plásticos e todo o seu ciclo de vida”, diz o diretor global de programas marinhos e polares da IUCN, Minna Epps. “Com base nas principais conclusões do relatório, atualmente estamos trabalhando com a ONU Meio Ambiente para desenvolver a melhor metodologia de hotspot de plástico da categoria, que pode fornecer às principais partes interessadas todos os dados e análises necessárias para auxiliar em sua tomada de decisão sobre a redução de vazamentos de plástico”.

De acordo com o esforço da IUCN para fechar a “torneira de plástico”,  duas novas publicações serão lançadas no próximo mês. Ambas decorrem do projeto IUCN Baltic Solutions to Plastic Pollution, financiado pela Swedish Postcode Foundation.

“A pegada plástica marinha – Na direção de uma métrica baseada na ciência para medir o vazamento e aumentar a materialidade e circularidade do plástico”, compreende uma metodologia que visa ajudar as empresas a definir prioridades para o desenvolvimento de abordagens de economia circular, e assim combater a poluição plástica. Ele destaca um modelo claro de vazamento de plástico, possuindo o primeiro conjunto abrangente de equações e dados genéricos para que se possa calcular o vazamento de fontes de plástico, como resíduos, tecidos, poeira de pneus, micro esferas de cosméticos e redes de pesca.