MADU – Rede Bem Estar

DESAFIO:
Como podemos desenvolver ações que proporcionem a ampliação e o aprimoramento da relação entre as pessoas idosas e seus acompanhantes – familiares, amigos, cuidadores – no intuito de contribuir para um cuidado mais adequado e protetivo dessa população?
SOLUÇÃO:
As soluções desenvolvidas pelo Instituto Tellus dentro do projeto Rede Bem Estar foram dividias em 6 frentes diferentes. Veja mais detalhes de cada uma das ações abaixo.

– Identidade visual
– Plataforma digital (site e aplicativo)
– Comunicação
– Programa educativo
– Formação para replicabilidade
– Desenho da readequação do espaço

Contexto

Não por acaso, o envelhecimento é um tema muito atual, pois se trata de uma questão urgente: a população idosa está em expansão. No Estado de São Paulo, até 2050, estima-se que o número de cidadãos com mais de 65 anos chegará a 10,7 milhões, que corresponderão a 30% da população total, segundo a Fundação SEADE. Diante da necessidade de olhar com mais atenção para esse grupo, foi desenvolvido o projeto “Rede Bem Estar”.

O novo perfil populacional exige ações integradas para garantir o envelhecimento ativo, empoderar e fortalecer a importância do idoso na sociedade. Assim, a iniciativa propõe a implementação de uma plataforma com conteúdos relevantes sobre envelhecer, visando contribuir para fortalecer os vínculos entre idosos, seus familiares, amigos e cuidadores.

A partir dessa premissa, o projeto “Rede Bem Estar” foi realizado pelo Instituto Tellus, com apoio do Conselho Estadual do Idoso de São Paulo (CEI-SP) e da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo. Além disso, também contou com a parceria operacional da Liga Solidária, e da BrasilPrev como parceira incentivadora.

Desafio inicial e abrangência do projeto

O vínculo afetivo é essencial para a construção das relações entre os seres humanos. No caso dos idosos, o fortalecimento desse elo é muito importante para o enfrentamento da velhice.

Partindo desse entendimento, o desafio inicial do projeto “Rede Bem Estar” foi definido por meio da seguinte questão: como podemos desenvolver ações para ampliar e aprimorar a relação entre as pessoas idosas e seus acompanhantes (familiares, amigos e cuidadores) no intuito de contribuir para um cuidado mais adequado dessa população?

Visto que o uso da tecnologia está cada vez mais presente no cotidiano das famílias e também entre a população com mais idade, o projeto propôs o desenvolvimento de uma plataforma com conteúdos, vídeos, informações e dados para ampliar a conscientização sobre os cuidados com o idoso e as políticas públicas voltadas a esse grupo.

Além da plataforma e aplicativo de conteúdos, o projeto “Rede Bem Estar” contou também com a implantação de uma atividade piloto no Complexo Educacional Educandário Dom Duarte (EDD), no distrito Raposo Tavares (um dos locais de desenvolvimento das atividades do parceiro operacional do projeto: Liga Solidária) . O piloto envolveu um núcleo de convivência de idosos da Liga Solidária, formou 15 idosos no Programa Educativo via WhatsApp e 150 gestores públicos na Capacitação para Replicabilidade. Além disso, durante o período de execução, beneficiou mais de 92 mil pessoas por meio do acesso à plataforma digital https://redebemestar.com.br/.

Diagnóstico e exploração

Com base na metodologia autoral do Tellus, o pontapé inicial do projeto englobou o diagnóstico e a exploração, etapas voltadas ao aprofundamento do contexto no qual a iniciativa está inserida.

Portanto, a parte inicial do trabalho consistiu em um grande mergulho no tema do envelhecimento e nas necessidades dessa população. Para tanto, foi feita uma vasta análise de pesquisas sobre o assunto e foram realizadas diversas entrevistas e visitas de campo:

Consulta de mais de 50 fontes secundárias: pesquisas de mercado, reportagens, dados governamentais e trabalhos acadêmicos;
Análise de mais de 30 referências de benchmarking;
Realização de mais de 30 entrevistas de profundidade com especialistas e cidadãos idosos;
08 visitas a instituições e eventos.

A partir desse estudo aprofundado, a equipe Tellus produziu um relatório detalhado que abordou alguns aspectos: social, renda, aposentadoria, saúde e fragilidade.

Social

De acordo com o diagnóstico, a solidão é uma das maiores questões da população idosa e o isolamento aumenta significativamente os problemas de saúde, impedindo a estabilidade financeira.

Por outro lado, 76,7% dos idosos usam o celular para se conectar com o mundo. Entre esse grupo, os aplicativos mais comuns são as redes sociais (70,2%), o Táxi/Uber (43,5%) e os apps para consultas/transações bancárias (28%). As informações são da pesquisa Estilo de vida e Consumo da Terceira Idade 2018, realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo SPC Brasil.

Aposentadoria

Nessa fase do projeto, constatou-se também que a desigualdade do país se manifesta de modo claro quando analisamos a idade média ao morrer e que a população idosa AB representa pouco o idoso brasileiro.

Nas classes CDE, a realidade dessas pessoas é marcada pelo analfabetismo, dificuldade de exercer atividade remunerada e alto índice de doenças crônicas.

Além disso, descobriu-se, ainda, que 70% das pessoas idosas do país estão aposentadas e que, ainda assim, 53% são responsáveis por mais da metade da renda familiar, conforme dados apresentados por pesquisadora da Fiocruz.

Saúde e fragilidade

A situação também é bastante delicada no que se refere às questões de saúde. Conforme estudo realizado pelo Ministério da Saúde em 2018, 70% dos idosos possuem alguma doença crônica, como diabetes, hipertensão ou artrite. Desses, 40% apresenta pelo menos uma e 29,8%, duas ou mais enfermidades. Outro dado importante constatado nesse mesmo levantamento foi que mais de 75% dos idosos são usuários do SUS.

A fragilidade mede a vulnerabilidade dessa população — o que inclui aspectos biológicos, clínicos, psicológicos e sociais. Infelizmente, a violência é uma realidade para muitos idosos e mais de 60% dos casos ocorrem dentro de casa, segundo dados da Fiocruz.

Quanto ao perfil dos cuidadores familiares, no município de São Paulo, de acordo com a Pesquisa SABE, 37,9% também são pessoas com mais de 60 anos. A maioria é mulher — filha ou cônjuge do idoso que necessita cuidados.

Principais pontos aprendidos

Essa parte inicial do desenvolvimento do “Rede Bem Estar” trouxe uma série de aprendizados fundamentais para o prosseguimento do projeto:

  • Preocupação financeira, isolamento social e saúde são os três maiores desafios do idoso brasileiro;
  • Perder a autonomia é um dos maiores medos dessas pessoas;
  • A população idosa do Brasil é bastante diversa;
  • O conceito de saúde vai além do estado físico;
  • Ações que unem diferentes gerações são destacadas por obter resultados positivos.

Redefinição do desafio do projeto

Após a imersão inicial, o entendimento do contexto e das necessidades reais dos usuários, a redefinição do desafio é um momento crucial para dar direcionamento e foco aos passos seguintes do projeto.

Levando em conta tudo que foi aprendido nessa etapa inicial, o objetivo do “Rede Bem Estar” passou a ser: como podemos ampliar e aprimorar o vínculo e o cuidado nas redes de apoio de idosos por meio de uma plataforma de experiências digitais e presenciais?

Cocriação

Na metodologia Tellus, a etapa da cocriação tem a finalidade de reunir o maior número possível de atores envolvidos no cenário do projeto para a busca conjunta por possibilidades de solução para os desafios mapeados.

No “Rede Bem Estar”, essa fase dividiu-se em cinco encontros e envolveu ao todo 52 pessoas de diferentes idades, gênero e repertório de interesse, sendo:

  • Programa educativo (um encontro): representantes do Conselho do Idoso, BrasilPrev, equipe técnica e idosos da Liga Solidária, pessoas entrevistadas e especialistas em idosos;
  • Nome da plataforma (três encontros): especialistas em idosos, especialistas em inovação, equipe BrasilPrev, e equipe Equilíbrio Social;
  • Espaço e site (um encontro): idosas e equipe técnica da Liga Solidária, especialistas em idosos, e equipe Equilíbrio Social.

Implementação

As soluções identificadas na etapa da cocriação do projeto “Rede Bem Estar” foram, de fato, tiradas do papel durante o processo de implementação — depois, é claro, de serem validadas, aprimoradas e testadas. As realizações do projeto se deram em seis frentes, que detalharemos a seguir.

Identidade visual

A iniciativa precisava de uma “cara”, que foi personificada por Madu, nome inspirado em palavras-chave identificadas nas pesquisas com idosos e especialistas — como “amadurecer”. A criação da personagem tem o intuito de humanizar a relação e criar proximidade com o público-alvo.

Plataforma digital

Essa parte incluiu o desenvolvimento do site e do aplicativo com notícias variadas sobre temas relevantes ao envelhecimento para os idosos e as pessoas que convivem com eles. Em relação ao site, alguns pontos foram considerados prioritários, como baixa complexidade de uso, facilidade de leitura, diferentes formatos de conteúdos e definição de temas.

No que diz respeito a este último, ficou definido que seriam produzidos materiais dentro de algumas categorias: Alimentação; Aprendizado; Atividades físicas; Carreira; Cidadania;
Cuidado; Cuidadores de idosos; Dicas; Diversão — entretenimento e viagens; Financeiro — economia e negócios; Saúde.

Os principais objetivos do site são sensibilizar sobre o tema do envelhecimento, oferecer acessibilidade, produzir notícias fáceis de encontrar e mostrar atualizações e notícias mais lidas. No período de nove semanas desde o início da campanha de comunicação, o site teve quase 127 mil acessos e mais de 92 mil usuários.

No que diz respeito ao aplicativo, a prioridade também foi apostar em uma estrutura que facilitasse a navegação e a leitura do idoso. Além disso, pensou-se também na criação de um ícone para que o usuário saiba que terá notícias e de um sistema de notificações no feed a cada três dias com base nos principais interesses demonstrados.

Comunicação

Utilizando diferentes canais — site, e-mail e redes sociais —, a comunicação do “Rede Bem Estar” teve como missão:

  • Chamar atenção para o tema do envelhecimento;
  • Romper com o estereótipo da pessoa idosa frágil;
  • Trabalhar com o conceito de heterogeneidade e diversidade do idoso;
  • Naturalizar o envelhecimento;
  • Mostrar que as pessoas não estão sozinhas e que é possível ajudar a pessoa idosa e a sua família durante esse processo;
  • Promover a história do idoso, eliminando preconceitos e evitando a infantilização;
  • Entregar conteúdos também para gestores, cuidadores e facilitadores de processos com idosos.

A comunicação do projeto utilizou diferentes temas e formas de engajamento, obtendo grande alcance e ótimos resultados (como veremos a seguir).

Programa educativo

O programa educativo consistiu no desenvolvimento de uma metodologia que incluiu uma série de atividades a serem realizadas por equipamentos que trabalham com idosos. Nesse sentido, foram desenvolvidos três módulos de trabalho: memória e sonho, fortalecendo vínculos interpessoais e protagonismo no território.

O conteúdo foi dividido em 12 encontros com o total de 30 horas de experiência e a estruturação do programa com quatro dimensões: conhecimento, habilidades, caráter e meta-aprendizado.

Formação para replicabilidade

Esse ponto refere-se à aprendizagem do programa educativo por gestores e facilitadores de grupos de idosos. Para isso, foi desenvolvido um “kit do gestor e da gestora”, com versão impressa e digital e uma formação online para 150 pessoas.

Desenho da readequação do espaço

Por fim, a última frente de implementação do piloto do projeto “Rede Bem Estar” em uma organização de atendimento à pessoa idosa tratou da cocriação de um espaço de convivência em um equipamento público para idosos — nesse caso, um ambiente da Liga Solidária, parceira operacional da iniciativa.

Devido à necessidade de alteração na estrutura física, o espaço foi criado para implementação futura. Paralelamente, alguns itens foram adquiridos – e com a aprovação do CEI-SEDS, cedidos à Liga Solidária e serão, posteriormente, doados à instituição – para que o programa educativo pudesse ser executado, como câmera digital, cadeira, notebook, smart TV, sofá etc.

Resultados gerais do projeto “Rede Bem Estar”

  • (+) 92.492 usuários no site entre 1º de junho e 31 de agosto de 2020;
  • (+) 126.943 sessões no site entre 1º de junho e 31 de agosto de 2020;
  • 105.000 usuários no site entre maio de 2020 e março de 2021;
  • 142.000 sessões no site entre maio de 2020 e março de 2021;
  • 310 inscritos no programa educativo para formação de gestores e gestoras;
  • 150 participantes na formação;
  • 150 kits físicos impressos e distribuídos durante o programa;
  • 30 itens adquiridos para o espaço da Liga Solidária;
  • 1.250 curtidas na página do Facebook do projeto;
  • 44.166 de alcance orgânico no Facebook;
  • 998.998 pessoas alcançadas por meio de anúncios na rede social;
  • 16.200 reações a postagens na página;

Quer saber mais sobre o “Rede Bem Estar”? Confira o vídeo do projeto, acesse o site ou as redes Madu:

Site:
https://redebemestar.com.br/

App:
https://apps.apple.com/br/app/rede-bem-estar-madu/id1531763904
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.redebemestar.madu_app&hl=pt

Facebook:
https://www.facebook.com/madu.redebemestar

Instagram:
https://www.instagram.com/madu.redebemestar/

YouTube:
https://www.youtube.com/channel/UCT5BG2UcuU2pEOxXtlvnmeg/featured

Parceiros, Beneficiários e Clientes

  • BrasilPrev
  • Conselho do Idoso (Sec. Desenvolvimento Social Estado de SP)
  • Governo do Estado de São Paulo - Sec. Desenvolvimento Social
  • Liga Solidária