A transformação digital no governo e nos órgãos públicos

A transformação digital em órgãos públicos têm o potencial de mudar significativamente as relações entre os cidadãos e seus governos. Aqui no Tellus, já vimos alguns exemplos nos textos “Cazaquistão: Desafios da segurança cibernética e a transformação digital” e “Inovação na saúde: IA em hospitais públicos de Goiânia e atestados digitais em Cingapura”. Ambos são apenas alguns exemplos de como o impacto da transformação digital do setor público pode impactar a população. Quando falamos em países desenvolvidos, existe um movimento de transformação digital muito mais acelerado por conta de grandes infraestruturas, maior liberdade econômica e homogeneidade no mercado digital. Por exemplo, a União Europeia tem hoje cerca de 412 milhões de usuários e um dos maiores campos de oportunidades para empresas de produtos e serviços digitais.

No Brasil, atualmente temos o segundo maior potencial de transformação digital do mundo, atrás apenas da Índia. Isso ocorre porque o nosso país conta com muitas empresas novas e – felizmente – com o surgimento de ótimas ideias. Esse tipo de organização, com pouco tempo de mercado, está mais sujeita a aceitar e encontrar bons resultados ao adquirir iniciativas digitais em seus processos. Enquanto boa parte das empresas que compõem os mercados desenvolvidos já tem uma cultura enraizada, um mercado que conta com empresas novas está muito mais sujeito ao obter resultados com a transformação digital.

Além disso, o setor público no Brasil tem discutido soluções que podem impulsionar a transformação digital do país. Tecnologias como rede 5G e regulamentações como a LGPD demonstram que o país tem amadurecido no âmbito digital. De acordo com o levantamento do Estratégia Brasileira de Transformação Digital 2018 (E-Digital), implementar soluções inovadoras a partir de uma estratégia digital eficiente pode aumentar o PIB (Produto Interno Bruto) anual em 5,7% e economizar os custos de atendimento e serviços públicos em 97%.

Segundo Alex Vieira, vice-presidente da Squadra Digital, em artigo publicado no IT Forum 365, “o caminho para a melhoria real dos serviços públicos passa pela adoção de modernos sistemas, pela contratação de consultorias especializadas e pelo planejamento de um ambiente de colaboração abrangente que envolva o Governo e a sociedade privada como um todo. Afinal, com o apoio de especialistas e companhias preparadas para o desenvolvimento de inovações técnicas, os administradores públicos terão condições de entender melhor as possibilidades disponíveis no mercado e, assim, agilizar a modernização dos órgãos governamentais.” Vieira completa “a colaboração entre empresas e administradores públicos pode representar ganhos de performance, promovendo a transformação digital e a implementação das iniciativas de transformação. Assim, o Governo terá a possibilidade de otimizar a curva de aprendizagem necessária para o desenvolvimento e a aplicação de projetos complexos de infraestrutura e segurança, garantindo qualidade em suas aplicações.”

Vieira ainda afirma que, “por meio de parcerias público-privadas e da aproximação com as pessoas, o setor público tem a chance de avançar na transformação digital, fundamental para que o Brasil desenvolva seus serviços públicos e consiga entregar melhores condições à população, dentro de um contexto global que exige mais rapidez e inteligência. O desafio é investir em tecnologia e, ao mesmo tempo, em uma nova cultura voltada à digitalização dos serviços.”

Outro exemplo que já publicamos por aqui, foi a iniciativa Govtech Portugal. Com projetos que se enquadrem dentro de um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), das Nações Unidas, o GOVTECH Portugal 2019 buscou protótipos funcionais de soluções que possam ajudar com problemas do país e em países em desenvolvimento. Em uma iniciativa que unia os setores privados e públicos, foram selecionados projetos de saúde, educação e infraestrutura.

Como podemos ver, a transformação digital já está presente em vários cenários do setor público, cabe agora a nós, de diferentes organizações e setores, reestruturar processos e soluções que impactem a sociedade de forma positiva e inovadora.