Better Hearts Better Cities: Cuidando do seu coração

No Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial é lançado, em São Paulo, projeto da Fundação Novartis, que tem o Instituto Tellus como um dos parceiros de implementação.

Os desafios atuais de saúde urbana são complexos e é necessária uma nova abordagem para o gerenciamento de doenças crônicas. A mudança de estilos de vida nas comunidades urbanas é cada vez mais caracterizada por uma dieta pouco saudável, atividade física reduzida, estresse, consumo excessivo de álcool e tabaco: todos os fatores de risco para o desenvolvimento de doenças não transmissíveis (DNTs).

Um terço da população de São Paulo mora nos bairros de baixa renda da cidade1, onde o acesso a serviços públicos de saúde de qualidade é distribuído de forma desigual.2 Apenas 32,4% das pessoas em São Paulo são fisicamente ativas,2 apenas 30% comem frutas ou vegetais regularmente,3 e mais da metade da população está acima do peso.2

Aqueles que vivem nas cidades, correm o risco de desenvolver condições como a hipertensão (pressão arterial alta), muitas vezes chamada de “assassina silenciosa” porque não apresenta sintomas óbvios, mas aumenta drasticamente o risco de derrame ou ataque cardíaco. 25,9% das pessoas entrevistadas em São Paulo relataram que sabiam que estavam em risco de hipertensão.4 Mesmo entre as pessoas que foram diagnosticadas, a adesão ao tratamento permanece extremamente baixa: em São Paulo, apenas 20% dos hipertensos tomam a medicação regularmente.5

A fim de melhorar a saúde cardiovascular em populações urbanas de baixa renda, o programa Better Hearts Better Cities – que em sua versão paulistana foi ajustado para Better Hearts Better Cities, Cuidando do seu coração – é uma iniciativa da Fundação Novartis que pretende criar uma rede de parceiros, globais e locais, para colaborar na elaboração de ações como cuidados com a hipertensão, educação em saúde, programas comunitários de estilo de vida, coordenação de cuidados, atualização de diretrizes clínicas e incorporação de ferramentas digitais de saúde.

O município de São Paulo é a terceira iniciativa global desse programa, que já contempla as cidades de Dacar (Senegal) e Ulaanbaatar (Mongólia). A primeira região da capital paulista onde será implementado o Better Hearts Better Cities será o distrito de Itaquera, localizado na Zona Leste.

Como parceiro de implementação local do programa, o Instituto Tellus será responsável por liderar e alinhar parceiros por meio de prioridades comuns, como conduzir campanhas de educação em saúde, apoiar a integração de pacientes hipertensos no registro oficial de serviços de assistência básica, expandir programas comunitários de triagem de hipertensão por meio de agentes comunitários de saúde, implementar atividades de estilo de vida saudável e fornecer a infraestrutura digital necessária.

“Estamos muito animados para participar do Better Hearts Better Cities em São Paulo. Juntamente com nossos parceiros, elaboraremos e implementaremos soluções tangíveis que farão a diferença para nossa população,” comenta Germano Guimarães, co-fundador e diretor do Grupo Tellus.

A Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo e o Move Social também são outros parceiros locais. O trabalho deles será complementado por parceiros globais, incluindo a Fundação CDC, a American Heart Association, a NCD Alliance e o recém-nomeado Business Performance Institute (BPI), empresa de consultoria de aprendizagem que começou a trabalhar com parceiros em Ulaanbaatar para ajudar a desenvolver estratégias de aprendizagem impactantes e inovadoras para provedores de saúde na cidade.

Referências

1. Banco Mundial. Melhorando Favelas: Histórias de São Paulo. Disponível em: http://blogs.worldbank.org/sustainablecities/no-excuses-slum-upgrading.

2. Prefeitura de São Paulo (2017). Programa de Metas 2017 – 2020.

3. Brasil Ministério da Saúde (2016). Vigitel Brasil 2016. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

4. Lotufo, P. (2015). Doenças cardiovasculares no Brasil: mortalidade prematura, fatores de risco e prioridades de ação. Comentários sobre os resultados preliminares da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 2013. São Paulo Med J. 133 (2): 69-72.

5. Pierin et al. (2011). Controle da hipertensão arterial e fatores relacionados na atenção básica localizados na zona oeste da cidade de São Paulo, Brasil.

Créditos da Imagem: Fundação Novartis